Era do Ruído – por Murilo Resende

image

Minha resistência a leituras de posts e comentários publicados nos mais diferentes plataformas tem aumentando exponencialmente.

São mensagens que se pretendem racionais.

Mas o verniz de racionalidade sobre as desconexões das diversas opiniões racha à primeira verificação mais atenta. Não há mensagem. Há ruído.

Ruído gestado nas máquinas industriais. No ranger do aço.

Passamos a ouvir o ruído como se fosse música.

A mensagem se perde.

Quem quer entender a mensagem?

Quem quer manter o ruído?

A mensagem é instantânea. O ruído deturpa no instante.

Onde está o silêncio da reflexão?

Onde está o tempo da reflexão?

O excesso de ruído nos faz ter a sensação de informação,

Mas é deformação.

Gostamos da dispersão?

Da ordem sem conexão?

Vivemos a era da Informação sem mensagem.

Vivemos a era do ruído.

Por isso não há verniz que sustente uma racionalidade.

Devemos cessar o ruído e buscar a mensagem.

Mensagens que não estão nos posts. Onde estariam?

 

(Ilustração: Fernando Chuí)

 

Um comentário sobre “Era do Ruído – por Murilo Resende

  • Ruídos…palavra diluida
    no breve espaço
    das pequenas telas
    de pessoas solitárias
    insanas
    em busca de novos sons
    de mensagens instantâneas
    que se repetem….
    repetem….
    repetem…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *